Twitter do Oscar Guedes

Hotel Emmy - Fiè Allo Sciliar -  Bolzano - Itália - Europa

Jornal Página Revista - Bahia

Club Med Trancoso - Porto Seguro - Bahia - Brasil

OSCAR GUEDES
É assim que se faz!

 

 

OSCAR NEWS

 

Reportagem "O Mistério da Cidade Perdida" de autoria do jornalista Pablo Villarrubia Mauso, publicada na revista espanhola Enigmas, em 2001:
(tradução: Oscar Guedes, junho/2019)

 

O MISTÉRIO DA CIDADE PERDIDA

Em um território praticamente inexplorado do interior do Brasil, o autor da reportagem “redescobriu“ a “cidade perdida” visitada pelo explorador francês Apollinaire Frot, há quase cem anos. O lugar poderia ser um antiquíssimo reduto dos “pré-egípcios” e atlantes. Centenas de misteriosas inscrições revelam a existência de cultos e tradições milenares que se relacionam com outros povos da antiguidade.

santo inacio cidade perdida do manuscrito 512 de pedras z percy harrison fawcett ingles espanhol frances apollinaire frot juan francisco cerezo torres castelo oskar kasslatter oscar guedes gentio do ouro
foto: Oscar Guedes

 

Desembarquei no estado brasileiro da Bahia para seguir uma pista esquecida: a existência da “cidade perdida” localizada pelo explorador francês Apollinaire Frot, no final do século XIX. O viajante deixou apenas algumas poucas anotações sobre sua extraordinária descoberta, suficientes para que outro mítico explorador, o coronel inglês Percy Harrison Fawcett – personagem em que se inspiraram para o filme Indiana Jones – gostaria de alcançá-la.

Fawcett desapareceu misteriosamente nas selvas do Mato Grosso, em 1925, junto com seu filho e um amigo. Procurava uma cidade de fábula, com estranhas torres luminosas e habitada por descendentes do continente de Atlântida. Na cabeça do explorador, estava indo atrás da cidade perdida de Apollinaire Frot.

santo inacio cidade perdida do manuscrito 512 z de pedras percy harrison fawcett gentio do ouro oscar guedes eco enigma castelo oskar kasslatter expedição exploração arqueologia brasil brasileira
Parte do mapa da última expedição de Percy Fawcett, em 1925, em busca da Cidade Perdida de Z, em que o destino final seria Santo Inácio, que costumava chamá-la de "Cidade de Raposo de 1753" (ano do Manuscrito 512)

 

De Madri a São Paulo e depois a Salvador, a capital da Bahia, havia uns poucos milhares de quilômetros. Desdobrei o mapa do estado e busquei a referência geográfica que nos deixou Frot: a Serra do Encantado, situada no distrito de Gentio do Ouro, perto de um vilarejo denominado Santo Inácio.

Depois de um longo e penoso percurso em busca de vestígios pré-históricos entre Morro do Chapéu e Xique-Xique, em pleno sertão da Bahia – zona semi-árida e pouco explorada –, parti rumo a Santo Inácio com meu amigo Manoel José Felisberto, natural de Sergipe, mas radicado em Salvador.

Há apenas um ano que se asfaltou a estrada entre a calorosa Xique-Xique e Santo Inácio. Ainda assim, raro era ver algum veículo atravessar o caminho: no máximo as caminhonetes pertencentes a algum fazendeiro. O asfalto estava marcado pelas borrachas dos pneus que freavam violentamente frente às vacas que se encostavam no meio da via.

À nossa direita, se abria uma enorme lagoa, a de Itaparica, rodeada de extensos palmeirais de carnaúba. Uma casebre aqui e outra ali se espalhavam em tão bucólico enclave. A maioria de seus ocupantes são descendentes de escravos africanos trazidos durante o período colonial português, e que se mantiveram isolados até poucos anos atrás.

Eu esfreguei meus olhos na frente daquela "miragem”: na frente do veículo em que viajávamos abria-se uma serra cujos contornos recordavam uma imensa cidade pétrea, com torres, palácios e muralhas. À medida que nos aproximávamos, a difuminada urbe se converteu num extraordinário conjunto ciclópico de pedras e roquedais magistralmente elaborados pela natureza.

Não pude reprimir a emoção ao contemplar a “desaparecida” cidade de Apollinaire Frot. Mantive a atenção ao máximo e, ao começar a subir a serra, observei a nossa esquerda algumas manchas vermelhas sobre a rocha. Imediatamente paramos o automóvel e baixei com a máquina fotográfica em punho a entrar naquela superfície ardente.

Então percebi que Frot não estava errado: aquele lugar foi um importante santuário de uma antiga civilização. As manchas vermelhas, vistas de perto, eram na realidade um precioso painel pintado com vários símbolos aparentemente cósmicos: sóis, cometas, luas e outros elementos indecifráveis.

Decidi caminhar entre as rochas. A poucos metros da estrada, numa encosta íngreme, erguia-se uma espécie de portal de pedra de cerca de 10 metros de altura e 25 metros de comprimento. Estava rodeado de plantas espinhosas. Talvez os antigos adoradores de Santo Inácio escolheram aquele lugar para realizar suas orações, ritos e sacrifícios, não muito longe das pinturas cosmogânicas.

Ao meu redor, se erguiam bizarras formações rochosas que recordavam homens gigantescos, figuras de animais fantásticos, ruínas de torres e de palácios... Explorar tudo isso supunha um esforço descomunal de dias, ou inclusive meses. Em instantes, me teria perdido entre os rochedos, porém estava entardecendo e decidimos ir rapidamente à vila de Santo Inácio.

As poucas casas – de estilo colonial – estavam encravadas na serra. Parecia despovoada até que uma criança, que possivelmente nos observava desde uma porta, cruzou correndo uma ruela empedrada.

Aproximei-me de um antigo casarão e da janela vi, em seu desgastado interior, uma biblioteca a ponto de arrebentar pelo peso dos livros. Quando bati na porta saiu uma mulher de pele clara, de trinta e tantos anos. Era Maria Aparecida Bessa, professorra do lugar.

Graças à sua generosidade, nos hospedamos em sua casa. Junto a seu marido, Inácio de Loyola Bessa, nos levou a conhecer a localidade. O solo da pequena praça estava coberto de quartzo, assim como a fonte.

Subimos a uma colina de onde se avistava Santo Inácio e obtivemos uma panorâmica irregular formada por montanhas e rochas amontoadas, as que dão nome à “cidade perdida” de Apollinaire Frot. Estávamos concretamente sobre o Morro do Cruzeiro, onde tem algumas pedras com pinturas milenárias representando formas humanas, animais e símbolos, infelizmente um pouco embaçados.

O vento daquele final de tarde soprava forte. Ainda assim, Inácio Bessa decidiu nos contar algo estremecedor: "há quinze anos, ia a uma festa, em direção a Xique-Xique, em meu automóvel, a uns 15 km daqui. Ainda não tínhamos energia elétrica e o acesso era pela estrada antiga de pedras. Na meia-noite, apareceu um foco luminoso muito intenso no caminho. Raramente alguém transitava por ali. Decidi parar e esperar que passasse. Depois de meia hora o veículo não apareceu... era como se tivesse desaparecido! Confesso que senti medo”. “E a que atribui isso?”, lhe perguntei. “Não sei. Dizem que é o carro-fantasma. Mas também, para aquele morro– apontou Inácio – e em outro ao redor da vila, geralmente sai umas bolas de luz que sobem no céu”.

formações naturais de arenito pedras cidade perdida de pedras santo inacio z percy fawcett juan franciisco cerezo torres oscar guedes castelo oskar kasslatter gentio do ouro apollinaire frot
Segundo o explorador espanhol Juan Francisco Cerezo Torres, o conjunto cíclope de pedras no entorno da vila de Santo é a Cidade Perdida do Manuscrito 512 e também a Cidade Z do explorador britânico Percy Fawcett.


LUZES E FANTASMAS


À noite, Maria Aparecida me falou sobre a história do lugar. Foi fundado, por volta de 1836, por garimpeiros de ouro e diamantes quando ali viviam os índios cariris, tupinambás e amoipiras. O primeiro branco que pisou a região – segundo documentos históricos – foi o bandeirante Belchior Dias Moreira, no século XVII. Moreira morreu sem revelar a localização das míticas minas de prata que supostamente encontrou, maiores que as de Potosí”, na Bolívia. Ofereceu-as ao então rei de Espanha, Filipe II, mas este não quis recompensar com títulos nobiliários o aventureiro português.

Mais tarde, verifiquei na Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro que Apollinaire Frot viajou ao distrito de Gentio do Ouro seguindo os passos de Moreira atrás das pistas das minas de prata, ouro e diamantes. E foi assim que se deparou com a cidade perdida de Santo Inácio ou “de pedra” de Santo Inácio e suas intrigantes pinturas rupestres.

Aparecida me apresentou a Genelísio Gomes do Nascimento, um corpulento ancião de 75 anos, ex-comissário de polícia da localidade. Com sua excelente memória e boa disposição, revelou-me alguns fatos que não escaparam ao registro de meu gravador. Há muitos anos, um amigo, João da Viana, me contou que ele, junto com seu avô, trabalhava em um acampamento de mineração de ouro chamado Vermelhos. Neste lugar isolado, ouviram, uma noite, a música como se fosse uma festa, de pessoas falando, de uma sanfona... O som se ‘movia' de uma serra para outra de forma inexplicável. No entanto, não havia absolutamente ninguém, e nenhuma cidade naquela área, num raio de muitos quilômetros. Eu já tinha ouvido histórias semelhantes de sons de fantasmas em quase toda a América. Na Argentina, por exemplo, acreditavam que tais sons e festas reuniam as almas malignas a quem chamavam “A Salamanca”. “E sobre luzes voadoras, conhece algum caso?”, investiguei. “Antigamente, a estrada por onde se chega era um caminho de terra muito ruim. Uma noite dos anos 60 – século XX – vinha com um amigo de buscar água em um poço, quando vimos uma luz aproximando-se sobre a estrada. Pensei que se tratava do automóvel do meu sogro, pois era o único veículo que circulava pela região naqueles tempos. Até nos pareceu estranho, pois não costumava circular a essas horas da noite e acreditávamos que levava algum doente. Quando a luz, que subia e baixava a serra acompanhando a estrada, se aproximou, e desapareceu no ar, misteriosamente... ficamos de cabelo em ponta!”.

E esta não foi a única vez. Genelísio teve outras experiências semelhantes. A mais significativa ocorreu de madrugada quando – estando com outras testemunhas – surgiu uma “roda” de luz, maior que a lua, sobrevoando os morros da “cidade de pedra”, mais concretamente em uma zona denominada "Os Quinze" – justo sobre o km 15 da estrada para Xique-Xique, onde Inácio Bessa também observou o fenômeno.

Posteriormente, meu eloquente informante me mostrou uma lendária "pedra de raio”. “As pessoas dizem que quando um raio cai no solo, ao cabo de sete anos emerge uma pedra. No entanto, é só isso, uma lenda, pois na realidade trata-se de machados fabricados pelos antigos habitantes da região, por exemplo. Eu encontrei alguns, eu posso te mostrar um...”, - me disse Genelísio, extraindo dois exemplares bem lavrados do interior de uma caixa de madeira.

Eu estava animado para encher meus cadernos e fitas de histórias paranormais e outros fenômenos desconhecidos. O ex-comissário Genelísio era uma excelente fonte de informação, e junto com sua esposa, lembrou outro "episódio fantasma”: “O que vou te contar aconteceu nos anos 60. Um viajante vinha para Santo Inácio em seu jipe, vindo de Gentio do Ouro. Antes de entrar na localidade, parou para ir buscar um idoso que estava pedindo carona. O homem só pediu que o levasse até Santo Inácio, e veio mudo todo o caminho. Quando passaram perto do cemitério, pediu ao condutor para parar. Quando desceu, ele disse: "Muito obrigado. Eu moro aqui" - apontando para o cemitério – “e meu nome é Renovato Alves Barreto”. Nesse momento, o viajante estremeceu, e partiu para a pensão para indagar pelo idoso. A proprietária da hospedagem lhe disse: “Pois essa pessoa morreu faz muitos anos, era o chefe político da região...”.


GÊMEOS MÍTICOS


Pernoitamos na casa de Aparecida e Inácio protegidos pelos mosquiteiros. No dia seguinte, decidimos explorar os arredores da vila. Num enorme lajedo que se estende cercando sua principal entrada, numa subida, demos com as ruínas da antiga cadeia pública do município. Segundo Genelísio, ali esteve várias vezes encarcerada a falecida dona Geracina. “Era uma mulher que bebia muito e por isso provocava muitas desordens nas ruas. Os policiais a levavam para a prisão e a acorrentavam pelos pés a um tronco. Mas, ao cabo de poucos minutos, a mulher já não se encontrava no lugar. Aparecia novamente na rua, com os braços em jarra e voltava a insultar a seus pasmados captores.

Esta sorte de “Houdini” com saias era o “terror” dos agentes da lei, que jamais puderam detê-la mais de uns minutos. Parecia que estava a desaparecer enquanto os policiais estavam de costas. Esses acontecimentos ocorreram entre 1940 e 1942, e Geracina faleceu no final dessa mesma década.

A uma dezena de metros da cadeia, e escavada sobre o mesmo lajedo de pedra, abria-se uma cavidade em forma de caixão perfurado em puro cristal de rocha.

Aparecida narrou que o buraco tinha sua lenda: dois irmãos gêmeos tinham encontrado um diamante extraordinário, de muitos quilates. Sua possessão ocasionou uma disputa que levou à morte de um deles... "É a voz do povo que isso é o caixão do defunto, e como podem ver, existe uma forma de cruz sobre a rocha de cristal. Eram os missionários que contavam esta história", esclareceu a professora.

Imaginei que a lenda poderia vir dos indígenas que habitavam a região e que se extinguiram, talvez antes do século XIX. Em quase toda a América do Sul e Central, inclusive no livro sagrado dos maias, o Popol Vuh, fala-se dos gêmeos míticos que no princípio juntam esforços, mas que, finalmente, terminam mal.

Existia uma unidade na origem das antigas tradições americanas que fazem pensar em um denominador comum, ou em uma civilização única que estendeu seus tentáculos por todo o continente. Isto remete-me para Apollinaire Frot. O engenheiro e geógrafo teorizou que o Brasil alojou a misteriosa raça dos “pré-egípcios”, que vários milênios mais tarde chegariam a Egito para criar a civilização das pirâmides.

Quem eram os “pré-egípcios”? Os diários de viagens de Frot se perderam. Algumas cartas foram conservadas pelo coronel russo Alexander Braghine, que se confinou no Brasil até sua morte na primeira metade do século XX. Possivelmente, os “pré-egípcios” foram a mesma raça procedente da América que o general Francês Langlois mencionava em uma série de artigos publicados, em 1935, na Revue Scientifique, e que, em 3.000 a.C., penetraram no Egito.

Outros estudiosos consideraram também a existência de uma civilização avançada que se desenvolveu na cordilheira dos Andes, como propuseram G. Hurley e E. Valcário. Um tal Ricardo Marsh afirmava ter descoberto nas selvas do Mato Grosso os restos de uma cultura muito parecida com os primitivos egípcios, assim como Frot. Junto a seu amigo de aventuras e peripécias, o naturalista português Alfredo dos Anjos, Frot construiu uma teoria que falava de grandes cataclismos cíclicos, que ocorrem a cada sete mil anos, produzidos pelo acúmulo de massas de gelo no Pólo Sul. A concentração do congelado líquido é tão grande depois de certo tempo que, no final de cada ciclo, produz um desequilíbrio climático no planeta.

Para Anjos e Frot, as inscrições que encontraram no interior do Brasil deviam referir-se a três grandes catástrofes, ou seja, de um período total de 21.000 anos. A primeira grande destruição ocorreu no sul da América do Sul, quando ali predominava um clima temperado, e de onde surgiu a raça branca que, em função do desastre, se refugiaram no continente de Atlântida. O segundo cataclismo ocorreu sete mil anos depois, com o afundamento do citado continente, e quando surgiram os índios guarani, os maias e outros povos que formariam as civilizações pré-colombianas da América. Os brancos migraram para o norte da África e parte do Oriente Médio, como Egito, Israel e Palestina. Quando seus descendentes quiseram voltar para a América – fenícios, hebreus, cartagineses, egípcios, etc – foram repelidos por seus novos ocupantes.
O Dilúvio Bíblico – segundo esta teoria – foi o último cataclismo que aparece nas lendas de muitos povos americanos, inclusive da Mesopotâmia e outros lugares do mundo.

As histórias que guardava essa região eram tantas, que ainda nos restava muitíssimo caminho a percorrer...



ATLANTES E EGÍPCIOS


Para o estudioso russo Alexander Braghine, os egípcios deviam aos atlantes os conhecimentos científicos para construir a grande Pirâmide de Gizeh. E quais foram os caminhos da dispersão dos pré-egípcios de Apollinaire Frot? A resposta nos oferece o mesmo estudioso russo, que considerava que tal povo esteve disperso por toda América do Sul, América Central e México, e daí para o continente de Atlântida, situado em meio ao oceano homônimo. Finalmente chegaram ao norte-africano até alcançar a Líbia e o Egito.

“Os pré-egípcios permaneceram longo tempo entre os atlantes. Fenômenos sísmicos ou vulcânicos os expulsaram para o velho continente. Por Marrocos, Tunísia, Líbia ou mesmo cruzando uma parte de Abissínia, até chegar às margens do Nilo”, esclareceu Alexander Braghine em seu clássico The Shadow of Atlantis – A Sombra de Atlântida (Londres, 1938).
Acrescenta que, possivelmente, alguns clãs de “pré-egípcios” subiram o Mar Vermelho, chegando à Arábia, Indostán, Indochina e Indonésia. A origem dos egípcios na Atlântida foi levantada pelo descobridor da cidade de Tróia, Schliemann. Este Indiana Jones do século XIX decifrou uma inscrição da “Puerta del León”, da ilha de Creta que atestava que os egípcios descendiam de Thot, sacerdote da Atlântida.

Outro apoio a Frot são os esqueletos do "Homem de Lagoa Santa”, uma raça peculiar de homo sapiens descoberta em Minas Gerais, no século XVIII, pelo sábio dinamarquês Lund. “Os incisivos de todos os indivíduos, velhos e jovens, em lugar de terminar em ponta aguda e cortante, formam uma superfície oval, cujo eixo de comprimento é paralelo ao próprio eixo da cavidade local”, fato somente observada nas múmias egípcias.
Frot assegurava – em una carta a Braghine – ter em seu poder un misterioso “documento tolteca” que, traduzido, revelou ser a história de uma expedição de “pré-egípcios” à América. O russo dizia que algumas lendas descreviam os toltecas como homens de “traços finos, cabelos castanhos claros e uma pele acobreada, ligeiramente brilhante” que se vestiam com tecidos multicoloridos, de tecido leve e suas roupas eram “longas e confortáveis”.

Braghine teorizava que os toltecas poderiam ser os construtores de templos, fortalezas e cidades ao longo da costa do Pacífico centro-americano. “É possível que aquela cidade enigmática nas selvas do Mato Grosso, sobre cujo passado de esplendor falam de maneira tão convicta as lendas indianas, tenha sido edificada pelos toltecas. Fawcett e seu filho, e o inglês Rainell partiram em busca dela, em 1925, e desapareceram sem deixar indícios: a expedição que foi enviada para encontrá-los, voltou sem encontrar nada, de Nossa Herança de Atlântida.

APOLLINAIRE FROT, UM INDIANA JONES DESCONHECIDO

Pouco se sabe sobre a emocionante vida de Apollinaire Frot. As escassas referências de que dispomos provêm de outro não menos intrigante explorador e buscador de mistérios arqueológicos: o coronel russo Alexander Braghine. Chefe da contra-espionagem do Czar durante a Revolução Russa de 1917, Braghine refugiou-se no Brasil até seus últimos dias, possivelmente na década de 40, na cidade do Rio de Janeiro. Foi nesse país sul-americano que conheceu pessoalmente, na Bahia, seu colega francês. Em seu fascinante livro O Enigma de Atlântida (Londres, 1938), Braghine nos faz uma importante descrição de Frot: “Viajando pelo norte do Brasil, há uns quinze anos, tive a oportunidade de encontrar na Bahia um engenheiro francês, o senhor A. Frot, residente no país fazia cinqüenta anos. Um dia descobriu vários petroglifos e se apaixonou pela pré-história e arqueologia americanas e se consagrou totalmente a estas ciências (...). Embora não fosse arqueólogo profissional, o senhor Frot realizou em plena floresta virgem, descobertas que suscitaram o mais vivo interesse entre os americanistas. Ele divulgou uma série de inscrições, em diversas línguas, as quais demonstraram que, não só dos fenícios, mas também os antepassados dos egípcios possuíam estabelecimentos na América. Conseguiu provar que os pré-egípcios eram de origem americana. Mostrou-me fotografias que tirou de várias centenas de petroglifos brasileiros, cujas inscrições, decifradas, revelaram-nos os seus segredos. Quase todas são descrições de itinerários que levam aos portos do Brasil até as minas de ouro do "hiterland", prova de que os fenícios e os cartagineses exploravam os depósitos de ouro do Brasil ... "


***

Em breve, mais informações sobre "Santo Inácio, Cidade Perdida do Brasil!"

Estamos preparando as seguintes pautas:

As evidências sobre Santo Inácio durante a busca da Cidade Perdida de Z pelo explorador inglês Percy Fawcett;

As evidências de Santo Inácio e região com o Manuscrito 512;

As conclusões do explorador espanhol Juan Francisco Cerezo Torres sobre Santo Inácio e suas formações naturais;

Sobre o livro do brasileiro Hoel Carvalho que considera as formações naturais de Santo Inácio como a Cidade Perdida;

As conclusões do publicitário Oscar Guedes sobre tudo, desde que começou a se envolver com o tema, seja dando suporte ao espanhol Juan Francisco Cerezo Torres, como também pesquisando e investigando também em campo;

O legado da busca pela Cidade Perdida do Manuscrito 512 no Brasil e no mundo.

 

PRÓXIMA PÁGINA

 

 
© 2005 - 2010 Site Eco Enigma - Seu Sexto Sentido. Todos os direitos reservados